Cronologia da vida

Infância, adolescência e vocação

1894 - 1915

  • 20 fevereiro 1894
    Nasce em Castagnito (Cúneo), Maria Teresa Merlo, segunda de quatro filhos de Ettore Merlo e Vincenza Rolando.

  • 22 fevereiro 1894
    Batizada na Igreja paroquial San Giovanni Battista, em Castagnito, pelo pároco Pe. Pietro Palladino. Padrinho é Leone Merlo,e madrina Margherita Rava Rolando.
  • 1901-1903
    Frequenta, em Castagnito, as três primeiras séries do curso primário. Não existindo outras séries na cidade, seus pais permitem-lhe continuar os estudos, de forma privada, orientada pela professora Maria Chiarla.
  • 23 abril 1902
    Faz a Primeira Comunhão na igreja paroquial de Castagnito.
  • 29 setembro 1907
    Recebe a Crisma na igreja paroquial de Castagnito, conferida por Mons. Giuseppe Francesco Re (1848-1933), bispo da diocese de Alba. Madrinha é a sra. Carolina Zocca Barbero.
  • 1908-1911 (acerca)
    Frequenta cursos de costura e bordado, no “Ritiro della Provvidenza”, dirigido pelas Irmãs de Sant´Anna. A seguir, os pais enviaram-na a Turim para aperfeiçoar-se em sua profissão.
  • 19 março 1912
    Carta enviada aos pais, de Susa. Não há notícias de uma precedente estadia naquela cidade.
  • 1912 (acerca)
    Abertura de uma pequena oficina, na casa paterna, em Castagnito, onde ensina às jovens que desejam aprender costura, e bordado, e cuida também de sua educação à oração.
  • 15 junho 1915
    Abertura do “Laboratório feminino” pelo Pe. Alberione em Alba, na Praça Cherasca 2, onde antes trabalhavam os rapazes da “Escola tipográfica”, transferidos a Moncarretto, em 5 de maio. Este ato marca a data de nascimento das Filhas de São Paulo. A srta. Angela Boffi é a primeira a aderir à iniciativa.
  • 27 junho 1915
    Encontro de Teresa com Pe. Tiago Alberione em Alba, na sacristia da igreja paroquial São Cosme e Damião. Em 1961, Mestra Tecla escreve: “Minha mãe, que me acompanhou, decidiu deixar-me ficar uns 15 dias. Quinze dias que nunca chegaram ao término”.

Os inícios das Filhas de São Paulo

1915-1922

  • 29 junho 1915
    Transferência definitiva de Teresa para Alba a fim de participar do projeto de Pe. Alberione, juntamente com a srta. Angela Boffi, de quem é hóspede. Acerca de primeira companheira, Mestra Tecla escreve, em 1923: “Naquele dia conversamos juntas, longamente, entendemo-nos e colocamo-nos de acordo. Começamos a amar-nos verdadeiramente como irmãs." Na divisão das tarefas, Teresa ocupou-se do "Laboratório feminino" e do negócio de livros e objetos religiosos, aberto no final do ano.
  • Outono 1915
    Transferência do Laboratório feminino e da residência para a nova sede na Via Accademia, no. 5.
  • 15 setembro 1915
    Ingresso de Clélia Caliano, terceiro membro da comunidade.
  • Agosto 1915-1918
    Participa com outras companheiras do grupo de “A Liga catequética”, da paróquia de São Cosme e Damião, em Alba; frequenta cursos de religião organizados pelo Con. Francesco Chiesa (1874-1946) para catequistas, e para o ensino do catecismo. Faz, com este grupo, os Exercícios espirituais anuais e os retiros mensais. Desde 1916, os Exercícios espirituais são orientados por Pe. Tiago Alberione.
  • 29 junho 1916
    Teresa emite os votos privados temporários, nas mãos de Pe. Alberione
  • 6 agosto 1916
    Presta exame escrito do curso de religião para catequistas.
  • 12 novembro 1916
    Participa do grupo das catequistas da paróquia dos santos Cosme e Damião, papel que desempenha até o final de 1918, quando vai para Susa.
  • 13 março 1917
    Ingresso da primeira “aspirante” (aos 13 anos de idade), Emília Bianco (Mestra Clélia).
  • 15 outubro 1918
    Encontro do Pe. Alberione com Mons. Giuseppe Castelli, bispo de Susa, para o relançamento do jornal semanal diocesano “La Valsusa”.
  • 22 outubro 1918
    Morre Clélia Calliano, oferecendo sua vida pela Boa Imprensa e pela futura Congregação das Filhas de São Paulo.
  • 27 outubro 1918
    Presta exame oral de religião na escola para catequistas.
  • 18 dezembro 1918
    Partida de Alba para Susa (Turim) com três jovenzinhas: Emília Bianco, Mariuccia Prinotti, Caterina Petean. A srta. Angela Boffi, responsável da comunidade, foi para Susa, no dia 16, com o paulino Bartolomeu Marcellino. Em Susa, Teresa assume a tarefa de “assistente”. Em 1961, Mestra Tecla escreve: “O Teólogo nos disse: ‘Ide’. Vocês ficarão lá uns 3-4 anos, trabalhareis no silêncio, depois Deus fará algo de vocês”.
  • 12 novembro 1919
    Um incêndio destrói a habitação de Susa. A comunidade encontra hospitalidade, durante duas semanas, nas irmãs Terceiras Franciscanas e, em seguida, na “Casa della Beneficenza”.
  • 22 julho 1922
    Teresa, com oito companheiras, faz a profissão religiosa privada perpétua e recebe o nome de Mestra Tecla. Com aquele ato é constituída a Pia Sociedade Filhas de São Paulo. Na ocasião, Pe. Alberione nomeia Mestra Tecla Superiora geral das Filhas de São Paulo por um mandato de 12 anos.


Os inícios na “casa”

1922-1929

  • 4 novembro 1922
    Angela Boffi deixa a comunidade das Filhas de São Paulo.
  • 12 março 1923
    Mestra Tecla entrega a “Livraria São Paulo” de Susa ao Sr. Enrico Piazza.
  • 23 março 1923
    A pequena comunidade de Susa integra-se, definitivamente, na comunidade das Filhas de São Paulo, em Alba.
  • 1923-1924
    Mestra Tecla escreve algumas notas sobre as origens das Filhas de São Paulo e, a partir delas, são escritos vários artigos no boletim l’Unione Cooperatori Buona Stampa (UCBS), publicados entre junho de 1923 e abril de 1925.
  • 10 fevereiro 1924
    Pe. Alberione funda a Congregação das Pias Discípulas do Divino Mestre, da qual Mestra Tecla, após o Decreto de aprovação diocesana das Filhas de São Paulo, é também Superiora geral até 25 de março de 1947.
  • 16 janeiro 1926
    Envia a Roma o primeiro grupo de jovens, guiado pela Mestra Amália Peyrolo para a fundação da casa. No dia 14 de janeiro tinham partido os rapazes da Sociedade São Paulo com o mestre, Pe. Timóteo Giaccardo, e duas Filhas de São Paulo.
  • 20 outubro 1926
    Morre Angela Boffi. Mestra Tecla comunica esta notícia a uma irmã, chorando e dizendo: “Eu devo muito à Mestra Boffi”.
  • Maio 1927
    Visita, talvez pela primeira vez, a casa de Roma.
  • 30 outubro 1928
    Recebe, com um grupo de irmãs, o hábito religioso que se torna a divisa das Filhas de São Paulo.
  • 5 novembro 1928
    Abertura da primeira casa filial, em Salerno, para a difusão. Neste mês foram abertas também as casas de Bari e de Verona. Mestra Tecla acompanha pessoalmente as irmãs e as ajuda nos inícios. São suas primeiras viagens apostólicas.
  • 5 fevereiro 1929
    Vai a Cagliari ajudar as irmãs na abertura da casa.
  • 15 março 1929
    Mons. Giuseppe Francesco Re, Bispo de Alba, erige a Pia Sociedade Filhas de São Paulo como Congregação de direito diocesano. No Decreto, Mestra Tecla é reconhecida como Superiora geral, com o título de Prima Maestra.
  • 19 março 1929
    Emite a profissão religiosa pública com votos perpétuos juntamente com as quatro conselheiras, nas mãos do Fundador, delegado pelo Bispo, Mons. Giuseppe Francesco Re. Ela é habilitada a receber os votos das irmãs.

Primeiras fundações na Itália e no exterior

1929-1939

  • 26 dezembro 1929
    Envio da primeira circular às comunidades das Filhas de São Paulo.
  • Junho 1931
    Vai a Messina para ajudar as irmãs na abertura da casa.
  • 21 outubro 1931
    Primeira fundação no exterior: em São Paulo (Brasil).
  • 31 dezembro 1931
    Publicação do primeiro número de Família Cristã, em Alba, pelas Filhas de São Paulo, sendo diretora Ir. Rosa Capra.
  • 4 fevereiro 1932
    Pe. Alberione faz a divisão dos bens e dos campos de apostolado entre a Pia Sociedade São Paulo e as Filhas de São Paulo.
  • 29 novembro 1932
    Mestra Tecla redige seu testamento, deixando tudo o que tem a Pia Sociedade Filhas de São Paulo.
  • Novembro 1933
    Em Alba, as Filhas de São Paulo, se transfere da casa ao lado da Sociedade São Paulo, para as novas instalações, no Borgo Piave, cuja sede se torna Casa Mãe.
  • 1 janeiro 1934
    Início da publicação do Boletim interno Eco da Casa Mãe, para transmitir às comunidades das Filhas de São Paulo os escritos do Fundador, de Mestra Tecla e as informações sobre a vida da Congregação.

  • Novembro 1934
    Incentiva, numa circular, as Filhas de São Paulo a trabalharem na difusão da Liga pela Leitura cotidiana do Evangelho.
  • Dezembro 1935
    Aconselhada pelo Fundador, introduz a norma da correspondência periódica das irmãs para com ela: no Natal e São Paulo.
  • 26 março 1936
    Mestra Tecla, com o navio “Augustus”, parte de Genova, sua primeira viagem, para visitar as comunidades do Brasil e Argentina. Regressa, de navio, para Genova em 27 de agosto de 1936.

  • 11 novembro 1936
    Mestra Tecla se transfere de Alba para Roma. Com ela também a Casa geral é transferida.
  • 28 janeiro 1937
    Embarca no navio a vapor “Rex”, para visitar a comunidade de Nova Iorque (USA). Retorna a Roma a 6 de março 1937.
  • 10 março 1937
    Transfere de Alba para Roma o noviciado e a casa das estudantes dos cursos de filosofia e teologia.
  • Abril 1937
    Comunica, no Eco di Casa Madre, com algumas palavras exortativas, o programa elaborado pelo Fundador para a fundação das Irmãs de Jesus Bom Pastor.
  • 1938
    Com saúde debilitada, passa um período em Genzano (Roma) com as irmãs Pastorinhas, que estão iniciando seu caminho.
  • Agosto 1938
    Escreve uma circular às Filhas de São Paulo sobre o espírito de adaptação e de universalidade que as deve animar.
  • 13 junho 1939
    Escreve ao Pe. Alberione, comunicando-lhe o seu pensamento sobre as “três seções de apostolado” (imprensa, liturgia, pastoral) numa única Congregação e como as coisas estão na realidade (T. Alberione, Lettere a Maestra Tecla Merlo [LMT], Casa Generalizia FSP, Roma 1986, p. 79, lettera 53).

Irmã e mãe

1939-1947

  • 9 março 1941
    Morre Ettore Merlo, pai de Mestra Tecla.

  • Agosto 1941
    Passa um período em Alba para reflexão e oração (LMT 60).
  • 8 setembro 1941
    Convoca as superioras, por orientação do Fundador, para um curso extraordinário de Exercícios para uma renovação espiritual.
  • 28 janeiro 1942
    Encaminha o pedido à Sagrada Congregação dos Religiosos para a aprovação pontifícia e o Decretum Laudis.
  • 8 setembro 1943
    Um terrível bombardeio ataca a cidade de Grottaferrata (Roma) e a casa das Filhas de São Paulo. Mestra Tecla e as irmãs que lá se encontram são milagrosamente salvas.
  • 21 outubro 1943
    Acolhe, na Casa geral, em Roma, a comunidade das monjas Beneditinas que, por causa da guerra, deve abandonar o mosteiro S. Escolástica, no monte Cassino. Permanece ai até 18 de agosto de 1944.
  • 9 julho 1945
    Assina o pedido que solicita à Santa Sé o reconhecimento das Pias Discípulas do Divino Mestre como instituto autônomo.
  • 17 julho 1945
    Escreve às Filhas de São Paulo que a “a assistência do Senhor (durante a guerra), sobre nós e sobre nossas coisas, está garantida por uma promessa (do Fundador): a ereção da igreja em honra da Rainha dos Apóstolos, em Roma”. Solicita a colaboração de todas para a construção.
  • Novembro 1945
    Deve reduzir o trabalho por motivos de saúde.
  • 28 dezembro 1945
    Embarca com o Fundador, em Nápoles, no navio “Andrea Gritti”, para visitar as casas nos Estados Unidos. Prossegue para Argentina e Brasil. Na viagem de regresso, sempre de navio, passa novamente nos Estados Unidos. Retorna a Roma em 23 de maio 1946.
  • Novembro 1946
    Numa circular, recomenda a todas as Filhas de São Paulo, especialmente às propagandistas, iniciar e terminar o dia apostólico com um momento de oração, centrado na assimilação da Palavra de Deus. Esta forma de oração é chamada “Itinerário das Filhas de São Paulo”.
  • 18 janeiro 1947
    Morre Vicenza Rolando ved. Merlo, mãe de Mestra Tecla. Naquele mesmo dia, as Filhas de São Paulo iniciam o apostolado do cinema em colaboração com a Sociedade São Paulo.

  • 3 abril 1947
    Mons. Luigi Grassi erige as Pias Discípulas como Congregação de direito diocesano.

Impulso missionaário e viagens

1948-1957

  • 2 setembro 1948
    Abertura da comunidade de Albano como casa de saúde das Filhas de São Paulo.

  • Dezembro 1948
    Escreve uma significativa circular sobre a pobreza, fundamento da vida religiosa paulina.
  • 3 abril 1949
    Com o Fundador, parte para visitar as casas do Oriente e do Ocidente, dando a volta ao mundo: Índia, Filipinas, Japão, México, Estados Unidos. Retorna a Roma em 24 de julho de 1949.

  • 30 setembro 1949
    Visita às comunidades da França e da Espanha. Retorna a Roma em 11 de outubro 1949.
  • 1950
    Gravações para o filme Mater Dei. Mestra Tecla participa, representando a profetiza Ana; outras Filhas colaboram como figurantes, etc.

  • Março 1950
    Escreve uma circular convidando as irmãs a crescerem no nosso espírito, caracterizado pela simplicidade e ligeireza.

  • 31 dezembro 1951
    Encaminha o pedido à Santa Sé para aprovação pontifícia da Congregação e aprovação definitiva das Constituições.
  • 1952
    Incentiva a iniciativa dos filmes catequéticos de curta-metragem e sustenta sua realização, pagando dois terços dos custos da produção.
  • 21 março 1952
    Com o Fundador visita às comunidades da América: Estados Unidos, Canadá, México, Chile, Argentina, Brasil. Na América Latina promove particularmente o apostolado do cinema. Retorna a Roma dia 14 de junho de 1952.
  • 12 julho 1952
    Visita às casas da França. Retorna dia 26 de julho.
  • 19 janeiro 1953
    O Secretário de Estado, Mons. Giovanni Battista Montini, escreve a Pe. Alberione, agradecendo os exemplares dos textos dos filmes curta-metragem catequéticos.
  • 15 março 1953
    A Santa Sé emana o Decreto de aprovação pontifícia da Congregação das Filhas de São Paulo e aprova suas Constituições. Mestra Tecla escreve às irmãs, expressando vivo reconhecimento ao Senhor.

  • 13 abril 1953
    Parte, com o Fundador, em visita às casas do Oriente: Japão, Filipinas, Índia. Em Bombay (Índia) o Primeiro Mestre adoece. Mestra Tecla o acolhe na casa das Filhas de São Paulo para tratamento adequado e facilita o seu imediato retorno a Roma. Mestra Tecla regressa a Roma em 22 de maio de 1953.
  • 13 julho 1953
    Parte, com o Fundador, para visitar as casas da América: Canadá, Estados Unidos, Colômbia, Chile, Argentina, Brasil. Retorna a Roma em 3 de setembro de 1953.
  • 5-10 setembro 1953
    Realiza-se, em Roma, o segundo Conselho Nacional das Madres Gerais. Mestra Tecla é eleita presidente da seção FIRAS (Federação Italiana Religiosas Assistência Social).
  • 1 novembro 1953
    Visita às comunidades da França, Espanha e Portugal. Retorna a Roma em 18 de novembro 1953.
  • 14 abril 1954
    Retorna à França para uma breve visita.
  • 29-30 novembro 1954
    Em Roma: consagração do Santuário (Basílica Menor) de Maria Rainha dos Apóstolos.

  • Fevereiro 1955
    Convida a viver o ano dedicado ao Divino Mestre, também com um empenho concreto: a difusão da revista de catequese Via, Verità e Vita.
  • 16 abril 1955
    Visita, com o Fundador, as casas do Oriente: Filipinas, Japão, Austrália, Índia. Retorna a Roma em 2 de junho de 1955.
  • 13 maio 1955
    Acompanha a Sidney (Austrália) as irmãs que vão abrir a nova casa.
  • 27 julho 1955
    Visita às casas da Europa: Gran Bretanha, França, Espanha, Portugal. Retorna a Roma em 22 de agosto 1955.
  • 12 setembro 1955
    Visita, com o Fundador, as casas da América: Estados Unidos, Canadá, México, Colômbia, Chile, Argentina, Brasil. Retorna a Roma em 12 de dezembro 1955.
  • Setembro 1955
    Escreve, dos Estados Unidos, exortando todas as irmãs a rezar pela revista Così, destinada às mulheres, cuja publicação está próxima (dezembro 1955).
  • 25 julho 1956
    Visita às casas da Europa: Gran Bretanha, Espanha. Retorna em 31 de julho 1956.
  • 7 janeiro 1957
    Convoca o primeiro Capítulo geral das Filhas de São Paulo a ser realizado de 4 a 7 de maio 1957, após um curso de Exercícios espirituais.
  • 23 fevereiro 1957
    Submete-se a uma mastectomia radical feita pelo cirurgião Dr. Francesco Ojetti, no hospital Regina Apostolorum de Albano Lacial.
  • 4 maio 1957
    Reeleita Superiora geral, pelo primeiro Capítulo geral, para um novo mandato de doze anos.


Últimos anos

1958-1964

  • Outubro 1958
    Incentiva as Filhas de São Paulo a prosseguir no apostolado cinematográfico, mesmo quando as pessoas têm dificuldade de entendê-lo.
  • 8 setembro 1959
    Pe. Alberione inicia a primeira comunidade das Irmãs Apostolinas, em Albano.
  • 14 setembro 1959
    Visita as casas da América com a Madre M. Lucia Ricci, Superiora geral das Pias Discípulas do Divino Mestre: Estados Unidos, Canadá, México, Venezuela, Colômbia, Chile, Argentina, Brasil. Ao regressar passa em Portugal. Retorna a Roma em 13 de fevereiro 1960.
  • 1960
    No Brasil, incentiva as irmãs a iniciar o apostolado discográfico.
  • 5 agosto 1960
    Visita a comunidade de Londres (Gran Bretanha).
  • 18 setembro 1960
    Visita a comunidade de Madri. Retorna dia 1 de outubro.
  • 15 maio 1961
    Participa do curso de Exercícios de vinte dias, organizado pelo Fundador, para as Paulinas da primeira hora, ou para as encarregadas do serviço de governo e formação. Realiza-se, em Ariccia, de 15 de maio a 5 de junho, pregado por Pe. Alberione e Pe. Luigi Rolfo, ssp.
  • 28 maio 1961
    Durante os Exercícios, na festa da Santíssima Trindade, em Ariccia, Mestra Tecla oferece a vida para que todas as Filhas de São Paulo sejam santas.

  • Novembro 1961
    Visita às casas do Congo. Retorna a Roma, no dia 9 novembro.
  • Dezembro 1961
    Escreve suas recordações sobre Pe. Alberione em páginas manuscritas.
  • 24 janeiro 1962
    Realiza sua última viagem ao Oriente: Índia, Filipinas, Formosa, Japão, Coreia, Austrália. Retorna a Roma em 19 de maio 1962.
  • Março 1962
    Em Pasay City (Filipinas) fica doente. De Roma é enviada M. Costantina Bignante para ajudá-la no restante da viagem que ainda deve realizar.
  • 5 agosto 1962
    Visita às casas dos Estados Unidos e do Canadá. Retorna a Roma em 3 de setembro.
  • 11 outubro 1962
    Papa João XXIII abre o Concílio Ecumênico Vaticano II.
  • 8 maio 1963
    Faz sua última viagem ao exterior, no Congo. Regressa muito cansada, em 17 de maio 1963. Não obstante isso continua a seguir os vários compromissos da Congregação.
  • 16 junho 1963
    Sofre um espasmo cerebral, é internada em Albano.
  • 17 junho 1963
    Recebe a visita de seus três irmãos: Giovanni Battista, Carlo e dom Leone Costanzo.
  • 7 julho 1963
    Um pouco restabelecida, retorna a Roma para uma breve visita; reúne as irmãs na Via Antonino Pio para saudá-las e agradecer as orações pela sua saúde. A serenidade e abandono em Deus comovem a todas.
  • 22 agosto 1963
    O encontro com o Papa Paulo VI, durante a visita que faz ao Hospital Regina Apostolorum de Albano Lacial, proporciona-lhe grande alegria.

  • 23 setembro 1963
    Por ocasião de seu onomástico, faz ainda uma breve visita à comunidade romana: a última.
  • 26 setembro 1963
    Vai a Grottaferrata (Roma) para uma brevíssima visita às superioras das casas filiais, reunidas numa Convenção.
  • 22 novembro 1963
    Sofre um novo e grave espasmo cerebral. Pe. Alberione administra-lhe o sacramento dos enfermos.

  • 5 fevereiro 1964
    Morre em Albano, no Hospital Regina Apostolorum, após uma hemorragia cerebral. Pe. Alberione assistiu-a em oração. Era uma quarta-feira.
  • 7 fevereiro 1964
    Realizam-se exéquias na capela do Hospital, celebradas pelo Pe. Alberione. O corpo é levado Roma, no Santuário Maria Rainha dos Apóstolos, para dar a todas as irmãs e aos membros da Família Paulina a possibilidade de vê-la.
  • 8 fevereiro 1964
    Exéquias solenes são celebradas no Santuário com a presença do Cardeal Arcadio Larraona, prefeito da Sagrada Congregação dos Ritos, que faz a homília fúnebre. É sepultada no cemitério monumental de Verano.
  • 3-7 fevereiro 1967
    Translado do corpo do cemitério de Verano para um lugar especial, na subcripta do Santuário Maria Rainha dos Apóstolos, em Roma. No dia 6 de fevereiro, solene celebração no santuário. À tarde, exéquias solenes na cripta, com os representantes da Família Paulina. No dia 7 de fevereiro é transladada num túmulo da subcripta.

Processos canônicos do venerabile Maestra Tecla Merlo


  • 11 julho 1967
    Petição ao Card. Arcadio Larraona, prefeito da Sagrada Congregação dos Ritos, para iniciar o processo informativo referente à Mestra Tecla Merlo.

  • 15 julho 1967
    A Sagrada Congregação dos Ritos emite o Decreto para a abertura do processo ordinário informativo.
  • 26 outubro 1967
    Em Roma, no Vicariato, começa o Processo Ordinário para recolher os testemunhos e a documentação sobre a fama de santidade, vida, virtudes e milagres de Mestra Tecla. Concluído em 23 de março de 1972.
  • 10 dezembro 1967
    Abertura do Processo Rogatório no Tribunal eclesiástico de Alba. Concluído no dia 4 de maio 1971.
  • 21 outubro 1982
    Abertura do Processo Apostólico no Vicariato de Roma. Concluído em 17 de junho de 1987. A abertura e o término do Processo são feitos no Vicariato, na sede do Tribunal.
  • 22 janeiro 1991
    Papa João Paulo II assina o Decreto de reconhecimento da heroicidade das virtudes de Mestra Tecla e a proclama venerável.